Projeto Decola RS é oficialmente lançado em Osório

03/02/2020

Presença maciça de dirigentes empresariais reforçou a importância da Federasul
Presença maciça de dirigentes empresariais reforçou a importância da Federasul

Governador Eduardo Leite e o futuro presidente da Assembleia Legislativa, Ernani Polo, participaram do encontro que deu início ao calendário de atividades da Entidade

 

Osório, no Litoral Norte gaúcho, é a cidade que acolhe anualmente a primeira atividade da Federasul, e que serve, também, de palco para projetar as atividades e discutir o que precisa ser feito em prol do desenvolvimento da economia gaúcha e retomada do crescimento, além de defender a redução do tamanho da máquina pública e o bom desempenho dos serviços públicos e recursos arrecadados aos cofres do Estado.

 

Na primeira Reunião de Integração de 2020, realizada no dia 31 de janeiro (é a segunds vez consecutiva que acontece no Complexo Eólico de Osório) contou com a presença massiva de presidentes e representantes de entidades filiadas à Federasul, a presidente Simone Leite, junto do vice-presidente de Integração, Rafael Goelzer, expuseram e analisaram em conjunto com os participantes do evento os rumos e as bandeiras a serem defendidas pela Entidade.

 

Para Simone “mais uma vez a Federasul se compromete a representar e a servir de meio para apresentar, em nível estadual, as demandas locais e da classe produtiva”. Goelzer, por sua vez, disse que “o Estado está caminhando para uma estabilidade e sustentabilidade de suas contas públicas. Há luz no fim deste túnel. E é por isso que o Decola Rio Grande nasceu: incentivar, arrecadar e defender demandas locais perante níveis superiores do Poder Público”, afirmou.

 

Principal ponto do encontro, os chefes do Executivo e Legislativo gaúcho falaram aos empresários sobre os próximos passos que o Rio Grande do Sul percorrerá este ano. Na visão do governador Eduardo Leite, “hoje o RS colhe os frutos de uma agenda estratégica, focada no desenvolvimento econômico do Estado e da melhor condução da máquina pública, diminuindo benefícios exclusivos, para bem empregar à toda sociedade gaúcha, por meio de aportes na saúde, segurança e educação”, afirmou.

 

De acordo com Simone “o Rio Grande do Sul só irá “voar” se os seus municípios estiverem fortes, tanto econômico quanto nos demais frontes de atuação do governo municipal, ainda mais em 2020, quando todos iremos às urnas eleger novos prefeitos e vereadores”, disse.

 

Ernani Polo, que assume a presidência da Assembleia Legislativa na segunda-feira (3/02), reiterou que o papel do Legislativo continuará como atualmente: servindo à sociedade, não grupos. “Estamos alinhados com esta agenda que visa o crescimento e a recuperação do Estado. Esse programa [Decola Rio Grande] está conectado com a realidade e necessidades de cada cidadão e município gaúcho”, descreve Ernani.

 

Para OIdemar Brahm, presidente do Conselho Consultivo da ACIST-SL, que participou do evento,  o lançamento,  pela FEDERASUL, do programa Decola Rio Grande, foi muito bem recebido pelas mais de cem entidades que estiveram presentes. “Reforça a vontade do setor empresarial em apoiar atitudes que estimulam o crescimento do Estado”.  Brahm também  destacou a presença do governador, que além de relatar as realizações de 2019, falou também sobre metas de 2020. “Ele foi amplamente sabatinado pelos presentes e não se absteve de responder”, comentou.

DECOLA RS

 

Baseado no tripé cooperação, convergência e resultados, o Decola RS ganha forma na intensidade de encontros que serão realizados com os líderes empresariais no interior do Estado.
No entendimento da Federasul, tendo como base as reformas aprovadas pelo Parlamento gaúcho e o cenário político/econômico nacional é necessário motivar a classe produtiva. Ao longo de 2020 a Federasul seguirá mapeando demandas regionais com a intenção de influenciar o debate político, tendo como principal foco as eleições municipais, programadas para outubro próximo.
 

ENERGIA

 

Local propício para o debate [Complexo Eólico de Osório], o vice-presidente da Federasul, Anderson Cardoso, abordou o tema Tributação de energias a partir da REN 482/2012, da ANEEL, que burocratiza e dificulta a geração de energia limpa. Atualmente, por força do Convênio 16/2015, permitiu Estados a isentar a cobrança do ICMS sobre a energia, bem como a criação de um banco de crédito energético.


        Um novo marco regulatório está previsto para ser concluído até fim do primeiro semestre deste ano, que deve seguir moldes internacionais, tais como a adoção de um sistema de medição líquida da energia injetada na rede ou a aquisição de quotas de energia.


Devido à complexidade do tema, a Federasul irá se posicionar nos próximos meses, mediante ouvir sua diretoria e os órgãos de regulação, bem como o Poder Público, onde detém assento em Conselhos de companhias de energia elétrica.

 

Fonte: Imprensa Federasul

› Compartilhe

— LEIA TAMBÉM —

novidades

Receba nossas novidades. Cadastre-se gratuitamente.

Top