FIERGS: Pesquisa aponta que 57,4% das indústrias estão com a produção parada no RS

31/03/2020

Faltam insumos e matéria-prima, existe dificuldade de logística de transporte, cancelamento de pedidos, dentre outros entraves
Faltam insumos e matéria-prima, existe dificuldade de logística de transporte, cancelamento de pedidos, dentre outros entraves

 

pesquisa realizada pela Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS), e divulgada nessa terça-feira (31), indica que 57,4% das indústrias gaúchas paralisaram a produção por causa da pandemia do coronavírus e 15,9% tiveram uma queda intensa na atividade. Além disso, 83,8% perceberam queda na demanda por seus produtos (mais de oito em cada dez consultadas). “Há problemas de toda a ordem para se manter a produção. Faltam insumos e matéria-prima, existe dificuldade de logística de transporte, cancelamento de pedidos. É fundamental o retorno gradativo às atividades, seguindo-se as recomendações de saúde, como teletrabalho e isolamento para grupos de risco, distanciamento entre pessoas, enfim, protocolos de contingência para que o ano não seja perdido ”, afirma o presidente da FIERGS, Gilberto Porcello Petry. O levantamento consultou 193 indústrias entre os dias 26 e 27 de março.

 

Outra dificuldade de impacto relevante apontada na pesquisa realizada pela Unidade de Estudos Econômicos (UEE) da FIERGS foi manter as linhas de produção em funcionamento. Nesse item, 85,9% das empresas tiveram problemas para conseguir insumos e matérias-primas. Em relação à logística, quase nove em cada dez não conseguem transportar seus produtos, insumos e matérias-primas.

 

Das 57,4% indústrias gaúchas sem atividade no momento, para 24,1% delas essa paralisação é por tempo indeterminado. Entre as que se mantêm operando, mais de 30% revelaram queda na produção. Para apenas 6,7% daquelas que responderam ocorreu um aumento na demanda. Esse impacto positivo foi sentido por alguns fabricantes de Produtos Alimentícios, Químicos, Farmoquímicos e Farmacêuticos.

 

Diante da situação, as perdas se acumulam. A consequência maior percebida pela indústria gaúcha por causa do coronavírus esteve na queda do faturamento, aparecendo em 75,4% das respostas para a pergunta sobre os principais impactos da pandemia. Pouco mais da metade das empresas também reportou o cancelamento de pedidos e encomendas (51,8%). Além disso, oito em cada dez informaram que está difícil ou muito difícil a condição financeira para lidar com os pagamentos de rotina e ao buscarem capital de giro, 78,7% encontraram mais dificuldades de acesso, sendo que 44,1% indicaram “muito mais” dificuldade.

 

Para lidar com o impacto da pandemia, a principal medida tomada pelas indústrias foi o trabalho domiciliar (home office), com 56,7% das respostas. A segunda providência mais utilizada, por 40,7%, o afastamento de empregados com sintomas, seguida de perto por férias para parte deles. A dispensa e demissão de empregados já foram adotadas por 17,5% das empresas pesquisadas.

 

Acompanhe a pesquisa completa e mais informações em https://www.fiergs.org.br/sites/default/files/paragraph--files/consulta_empresarial_rs_-_coronavirus.pdf.

 

Fonte: Imprensa FIERGS

› Compartilhe

— LEIA TAMBÉM —

novidades

Receba nossas novidades. Cadastre-se gratuitamente.

Top