Fundação Liberato inaugura Laboratório de Nanotecnologia

30/08/2019

 

 

Nesta terça-feira (27), foi inaugurado o Laboratório de Nanotecnologia da Fundação Liberato, dentro das dependências do Curso Técnico da Química da instituição.

O novo espaço terá aplicabilidade em diversas áreas, tais pesquisas que demonstram melhorias de resistência à tração, à compressão e a porosidade na construção civil, e aplicações biotecnológicas no desenvolvimento de biossensores e biorreatores, entre outras.

A ex-professora da escola, Maria Inês Fuhr e associada da ACIST-SL, foi uma das idealizadoras do projeto, estava radiante: “Agora podemos ter uma linha de pesquisa nessa área. Estamos trazendo a nanotecnologia para fazer a diferença. Esse é o nosso sonho” Ela conta que o  Laboratório de Nanotecnologia surgiu do investimento privado em estrutura e equipamentos pela empresa Weal International, buscando em parceria com a Fundação Liberato estudar a produção de nanotubos de Carbono e estudos de aplicabilidade deste material em formulações de concreto, polímeros, dentre outras. “Os nanotubos de carbono apresentam propriedades extremamente diferenciadas, com resistência mais de dez vezes superior as fibras de carbono. As Principais aplicações são na construção civil, plásticos de engenharia, biotecnologia, tratamento de água e efluentes, componentes eletrônicos e assim por diante.

 Como consultora da empresa Weal International, Maria Inês, junto com a professora Angélica Thiele, busca parcerias viabilizadoras das pesquisas de aplicação em engenharia de materiais, tais como ITT Performance da Unisinos, Universidade Feevale, e  empresas como Sulgas e Concresul. “Esta iniciativa gerou até o momento, além do Laboratório pronto para pesquisas, quatro trabalhos de TCC do curso de Química e duas participações na feira Mostratec, ambos com quarto lugar na categoria de engenharia de materiais”, pontua Maria Inês.

 

Na ocasião, o diretor da Weal International Ltda, Reus Rosa, destacou a importância do momento: ”Estou muito orgulhoso em poder contribuir com a escola. Estamos fazendo a nossa parte e isso nos deixa muito contentes”, destacou em sua fala.

 

O laboratório tornou-se realidade graças ao apoio de empresas e instituições parceiras, entre as quais, a Weal International Ltda, a Associação de Pais e Mestres da Liberato (APM), a Coordenação do Curso de Química e a Diretoria de Pesquisa de Fundação Liberato.

Por fim, o Diretor Executivo da Liberato, Ramon Fernando Hans, salientou que a escola já nasceu de uma parceria entre os governos municipal, estadual e federal: “Desde a nossa criação, já conquistamos outras tantas parcerias e é disso que precisamos. Por isso, agradeço imensamente aos servidores, instituições e empresas envolvidas nesse projeto tão importante”.

 

 

› Compartilhe

— LEIA TAMBÉM —

novidades

Receba nossas novidades. Cadastre-se gratuitamente.

Top